Image module

MASTERPLAN E ESTUDO PRELIMINAR DO ECOPARQUE – CONCURSO DE IDEIAS
Mendoza, Argentina. 2018

O futuro ECOPARQUE de Mendoza remete ao conceito de ECOLOGIA. Porém, E.C.O pode ser o acrônimo de três eixos fundamentais: ENTORNO CULTURA e ÒCIO. Três grandes pilares que dão forma à reconversão do antigo Zoológico de Mendoza, modificando e ampliando o escopo das suas atividades e recursos para este século XXI.
A diversidade, complementariedade e transversalidade dos três eixos, Entorno, Cultura e Ócio, dá lugar a uma nova variedade de vivências que serão possíveis no novo ECOPARQUE. O eixo ENTORNO, é apresentado como suporte de vivências e cenário de ação tanto do ser humano como das espécies animais, vegetais e minerais. CULTURA E OCIO em conjunto assinalam à educação e reeducação: propõem-se atividades para crianças de 0 a 12 anos e para adolescentes, idades em que o ser humano se encontra ávido de conhecimento e aventuras, de maneira que sejam eles os sujeitos convocados ao novo ECOPARQUE, acompanhados por adultos. Reeducação dos adultos, no sentido de desaprender as condutas erradas, próprias de um paradigma que atualmente é obsoleto, com relação ao lugar em geral e do passeio no particular; mas também com relação ao uso dos recursos naturais e às possibilidade que outorga o ambiente na melhoria da qualidade vida do ser humano. Para reconhecer e aprender sobre os novos modos de geração de energia, do uso responsável dos recursos, sobre o respeito a flora e a fauna, sobre a convivência harmônica entre o ser humano e a natureza.

Nesta proposta, o estimulante programa de usos é articulado mediante quatro sistemas geograficamente identificados: PLANÍCIE, PANTANAIS, SOPÉ e MORRO:

Nas cotas mais baixas, em uma área de declividades leves, o sistema PLANÍCIE incorpora o novo ACCESO PRINCIPAL ao prédio com seus correspondentes estacionamentos. Entrando no recinto se acessa a todas aquelas atividades que tem a ver com a COSMOLOGIA DA BIODIVERSIDADE. Trata-se de pôr em relevância a dimensão social da paisagem, partindo dos povos originários da região de Cuyo e as sucessivas colonizações, seguindo as evoluções, comportamentos, interações com os animais e o médio em que se habita, assim como os modos de subsistência até chegar aos nossos dias.
Junto ao acesso onde se localiza o pavilhão AREA PÚBLICA se tem colocado também outros serviços e equipamentos que convém organizar de modo que possam ter eventualmente um uso independente: a BIBLIOTECA e as salas de estudo, a ADMINISTRAÇÃO geral e o AUDITÓRIO. Na área sul e em uma posição mais retirada, ao outro lado do reservatório hídrico (pantanais em forma de espelhos d’água a modo de lagoa) de nova criação, localiza-se a área que se destinará ao HOSPITAL VETERINÁRIO, objeto de ulteriores etapas. Propõe-se de modo que possa albergar também um centro específico para recepção, reabilitação e derivação de animais e outro para a pesquisa científica.
Seguidamente um curso d’água com represas atua como novo ecossistema estruturador do parque potenciando novas formas de vida, e ao mesmo tempo, atua como limite naturalizado entre os sistemas de PLANÍCIE e SOPÉ. A este sistema o chamamos de PANTANAIS e é alimentado com água de chuva e água da rede, que é recirculada e depurada mediante vegetação. Aqui o objetivo é fazer ênfase na importância da água para a região assim como dar a conhecer o ecossistema associado através de um programa de INTERPRETAÇÃO AMBIENTAL.
A ladeira leste do Morro “de la Gloria”, apresenta uma topografia mais acidentada, sendo a protagonista da paisagem dos caminhos que a atravessam. Estas trilhas históricas conseguem deslocar aos visitantes através das pendentes e acompanham a melhor florestação de todo o prédio. A esta área a chamamos SOPÉ. Mediante um REFLORESTAMENTO intenso, a nível de árvores e vegetação rasteira, propõe-se mudar a experiência que se tem atualmente. A intenção é que as trilhas que atualmente usufruem de vistas sobre os taludes e gaiolas de maneira reiterada se convertam em “corredores ou túneis naturais” com o fim de evitar perturbações à potencial fauna autóctone que a habitará.
Estamos portanto ante uma mudança de paradigma invertendo a lógica atual com relação aos animais, até agora confinados a espaços reduzidos sendo observados por humanos abertamente com absoluta disponibilidade e desde múltiplas perspectivas sempre eleitas por humanos. Em certo modo, agora vão a ser estes os que estarão confinados em caminhos precisos desde onde poderão observar unicamente, com respeito e de maneira discreta, à flora e fauna do Ecoparque. Nesse sentido, se constroem painéis estrategicamente dispostos nos que se incorporam janelas horizontais ou “janelas naturais” em ausência pontual da vegetação.
Nesta área se incorporam estruturas de madeira transversais à pendente que oferecem ao visitante
EXPERIÊNCIAS DE AVENTURA E OBSERVAÇÃO DE FAUNA que inclui sensações diversas como estar na copa de uma árvore a 15 metros de altura ou o descenso a um fosso que até agora o ocupava um animal, tendo assim a vivência que este tinha de sua existência em cativeiro.
Já no topo se localiza a área do MORRO desde onde se propõe ter um acesso secundário entre o topo do Morro “de la Gloria” e o recinto Ecoparque. Nesta região se propõe conseguir novas visuais gerais da cidade de Mendoza, hoje escondidas atrás da abundante vegetação do seu entorno.

Prêmios
2º LUGAR

Cliente
Secretaria de Ambiente e Ordenamento Territorial, Governo de Mendoza, Argentina.
FADEA, Federação Argentina de Entidades de Arquitetos
CAMZA, Conselho de Arquitetos de Mendoza

Área
31 Ha

Associados
José María Silvestro, arquiteto

Equipe
Pablo Bianchi, Agustin Merino, Laura Venegas, Mariona Oliver Pujol Arquitectos; Josep Parcerisa + Alvaro Clua Arquitetos; Enric Pulido e Júlia Sáez estudantes de arquitetura; María Fernanda Arias Godoy, Gabriela Amorim, Robert de Paauw, JDVDP Arquitetos Brasil; Escritório de Arquitetura Vicens+Ramos; Marti Boada Junca, Pesquisador do ICTA (Institut de Ciencia i Tecnologia Ambientals) ; Anna Zahonero, bióloga; Andrea Lacave, Engenheira Agrônoma; Roxana Piastrelli, Engenheira Ambientalista; Víctor Burgos, Engenheiro Hidráulico.